sábado, 9 de julho de 2011

A chama da alma

Havia um rei que apesar de ser muito rico, tinha a fama de ser um grande doador, desapegado de sua riqueza. De uma forma bastante estranha, quanto mais ele doava ao seu povo, auxiliando-o, mais os cofres do seu fabuloso palácio se enchiam.

Um dia, um sábio que estava passando por muitas dificuldades, procurou o rei. Ele queria descobrir qual era o segredo daquele monarca.

Como sábio, ele pensava e não conseguia entender como é que o rei, que não estudava as sagradas escrituras, nem levava uma vida de penitência e renúncia, ao contrário, vivia rodeado de luxo e riquezas, podia não se contaminar com tantas coisas materiais.

Afinal, ele, como sábio, havia renunciado a todos os bens da terra, vivia meditando e estudando e, contudo, se reconhecia com muitas dificuldades na alma. Sentia-se em tormenta. E o rei era virtuoso e amado por todos.

Ao chegar em frente ao rei, perguntou-lhe qual era o segredo de viver daquela forma, e ele lhe respondeu: “Acenda uma lamparina e passe por todas as dependências do palácio e você descobrirá qual é o meu segredo.”

Porém, há uma condição: se você deixar que a chama da lamparina se apague, cairá morto no mesmo instante.

O sábio pegou uma lamparina, acendeu e começou a visitar todas as salas do palácio. Duas horas depois voltou à presença do rei, que lhe perguntou: “Você conseguiu ver todas as minhas riquezas?”

O sábio, que ainda estava tremendo da experiência porque temia perder a vida, se a chama apagasse, respondeu: “Majestade, eu não vi absolutamente nada. Estava tão preocupado em manter acesa a chama da lamparina que só fui passando pelas salas, e não notei nada.”

Com o olhar cheio de misericórdia, o rei contou o seu segredo: “Pois é assim que eu vivo. Tenho toda minha atenção voltada para manter acesa a chama da minha alma que, embora tenha tantas riquezas, elas não me afetam.”

“Tenho a consciência de que sou eu que preciso iluminar meu mundo com minha presença e não o contrário.”

O sábio representa na história as pessoas insatisfeitas, aquelas que dizem que nada lhes sai bem. Vivem irritadas e afirmam ter raiva da vida.

O rei representa as criaturas tranqüilas, ajustadas, confiantes. Criaturas que são candidatas ao triunfo nas atividades que se dedicam. São sempre agradáveis, sociáveis e estimuladoras.

Quando se tornam líderes, são criativas, dignas e enriquecedoras.

Deste último grupo saem os que promovem o desenvolvimento da sociedade, os gênios criadores e os grandes cultivadores da verdade.

fonte: Momento Espírita
ilustração: internet

2 comentários:

Mary Miranda disse...

Felipe, meu querido amigo!

A chama, sempre ela, a iluminar nossa vida...
Precisamos desse fulgor nos pequenos gestos de ternura, na tentativa de crescimento do espírito, na vontade que temos em ser mais que limite corpóreo possa permitir!
É ela, a chama, o que alimenta a esperança e força que move a manivela do mundo!...
Esse texto me tocou, ou melhor, me iluminou, me resplandeceu de um brilho inofuscável!!!!

Mais uma vez, uma lindíssima reflexão que você, generosamente, honra os amigos!
Meu obrigada mais sincero!!!!

Beijos, meu Presidente!

Mary:)

Sissym disse...

Felipe,

É isso que diferencia cada pessoa, aquelas capazes de liderarem e serem estimadas contra as que querem ser, mas nada fazem de eficaz. A sabedoria está, então, em saber ver e perceber.

Beijos

Related Posts with Thumbnails