sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Enquanto os ventos sopram


Alguns anos atrás, um fazendeiro possuía terras ao longo do litoral do Atlântico. Ele constantemente anunciava estar precisando de empregados.


A maioria de pessoas estava pouco disposta a trabalhar em fazendas ao longo do Atlântico. Temiam as horrorosas tempestades que varriam aquela região, fazendo estragos nas construções e nas plantações.

Procurando por novos empregados, ele recebeu muitas recusas.

Finalmente, um homem baixo e magro, de meia-idade, se aproximou do fazendeiro.

- Você é um bom lavrador? Perguntou o fazendeiro.

- Bem, eu posso dormir enquanto os ventos sopram - respondeu o pequeno homem.

Embora confuso com a resposta, o fazendeiro, desesperado por ajuda, o empregou. O pequeno homem trabalhou bem ao redor da fazenda, mantendo-se ocupado do alvorecer até o anoitecer e o fazendeiro estava satisfeito com o trabalho do homem.

Então, uma noite, o vento uivou ruidosamente. O fazendeiro pulou da cama, agarrou um lampião e correu até o alojamento dos empregados. Sacudiu o pequeno homem e gritou, - Levanta! Uma tempestade está chegando! Amarre as coisas antes que sejam arrastadas!

O pequeno homem virou-se na cama e disse firmemente, - Não senhor. Eu lhe falei, eu posso dormir enquanto os ventos sopram.

Enfurecido pela resposta, o fazendeiro estava tentado a despedi-lo imediatamente. Em vez disso, ele se apressou a sair e preparar o terreno para a tempestade. Do empregado, trataria depois.

Mas, para seu assombro, ele descobriu que todos os montes de feno tinham sido cobertos com lonas firmemente presas ao solo. As vacas estavam bem protegidas no celeiro, os frangos nos viveiros, e todas as portas muito bem travadas. As janelas bem fechadas e seguras. Tudo foi amarrado. Nada poderia ser arrastado. O fazendeiro então entendeu o que seu empregado quis dizer, e retornou para sua cama para também dormir enquanto o vento soprava.

O que eu quero dizer com esta história, é que quando se está preparado - espiritual, mental e fisicamente - não tem nada a temer.
Eu lhe pergunto: você pode dormir enquanto os ventos sopram em sua vida?
Espero que você durma bem.

Autoria ignorada
foto:DW-World-DE


15 comentários:

Serenissima disse...

Que bela historia.
Que também nós saibamos dormir enquanto o vento sopra.

Abraços,
Serenissima

Felipe disse...

Grato pela visita.
Abraços!

O bEM viVER disse...

Felipe, um dia fui num encontro e ouvi essa história, Cheguei em casa, esqueci o nome dela, tentei pesquisar e não conseguia.
Mas fui escrevendo mais ou menos umas frases, até que consegui enocntrar na net.

Quando vi o título, corri pra lê-la.

É uma reflexão para não deixarmos as coisas sempre para amanhã ou depois. Precisamos fazer o que tem que ser feito a tempo e a hora, para esperarmos com a consciência tranquila.

Abç,

Lena

Felipe disse...

É uma linda história, com uma mensagem que marca fundo.
Grato pela visita.
Abraços!

Luísa disse...

Felipe,

Linda história! Realmente para dormir enquanto os ventos sopram é necessário estar prevenido. Pensar um pouco mais além.

Beijos
Luísa

Professora Ismaelita disse...

Ola amigo belo post me lembrei deste texto:
“Portanto, quem ouve essas minhas palavras e as põe em prática, é como o homem prudente que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, os ventos sopraram com força contra a casa, mas ela não caiu, porque fora construída sobre a rocha. Por outro lado, quem ouve essas minhas palavras e não as põe em prática, é como o homem sem juízo, que construiu sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, os ventos sopraram com força contra a casa, e ela caiu, e a sua ruína foi completa!” - Jesus (Mateus, 7,24).

Felipe disse...

Luísa.
Sempre um sereno e profundo comentário.
Beijão

Felipe disse...

Ismaelita.
Brilhante a comparação com a parábola da casa construída sobre a areia.
Abraços

Rosana Madjarof disse...

Felipe,

Adorei o texto.

É a verdade da vida...

Enquanto os ventos sopram, desde que tenhamos realizado tudo, deforma que o vento não arraste nada, poderemos ficar com nossa consciência tranqüila, e dormir sossegadamente.

Excelente.

Bjs.

Rosana.

Sissym disse...

Uau, Felipe, que história incrível!
Eu às vezes preciso de uns empurrões para amarrar as coisas, mas faço.
Não que seja lerda, preguiçosa, eu acredito demais nas pessoas, nas mudanças, ou talvez eu não seja tão preocupada assim... Eu procuro me precaver de tudo, mas odeio que fiquem me apressando ou que eu tenha que arrancar os cabelos antes... arranco depois, se precisar.... afff.... esta sou eu...

Julimar Murat disse...

Oi Felipe

bela escolha.
Uma estória que nos faz refletir sobre o caminho que escolhemos, ou as escolhas que fazemos nas nossas vidas. Saibamos que a responsabilidade diante da vida é que se vou estar em condições de enfrentar as adversidades quando elas se apresentarem diante de mim.
Este preparo a vida vai te dando, o amadurecimento vai te mostrando que a conciencia é sua maior bússola.

Um grande beijo

Julimar

Felipe disse...

Rosana
Se os nossos ontens estiverem devidamente arquivados, nossos hoje devidamente programados e nossos amanhã capazes de sofrer pequenas alterações, qualquer ventania vira brisa.
Abraços!

Felipe disse...

Sissym.

Todos nós estamos sujeitos a chuvas e trovoadas no decorrer do período portanto, leve sempre o guarda chuva.
Beijão

Felipe disse...

Julimar.
O amanhã a Deus pertence, mas não deixe tudo nas costas dele. rs
Beijão

Geraldo disse...

Olá Felipe,

A previdência foi sempre uma virtude, neste caso a experiência aliou-se contra as intempéries

Abraço

Related Posts with Thumbnails