quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Amor, imbatível amor

O amor é substância criadora e mantenedora do Universo, constituído por essência divina.

É um tesouro que, quanto mais se divide, mais se multiplica, e se enriquece à medida que se reparte.

Mais se agiganta, na razão que mais se doa. Fixa-se com muito poder, quanto mais se irradia.

Nunca perece, porque não se entibia nem se enfraquece, desde que sua força reside no ato mesmo de doar-se, de tornar-se vida.

Assim como o ar é indispensável para a existência orgânica, o amor é o oxigênio para a alma, sem o qual a mesma se enfraquece e perde o sentido de viver.

É imbatível, porque sempre triunfa sobre todas as vicissitudes e ciladas.

Quando aparente – de caráter sensualista, que busca apenas o prazer imediato – se debilita e se envenena, ou se entorpece, dando lugar à frustração.

Quando real, estruturado e maduro – que espera, estimula, renova – não se satura, é sempre novo e ideal, harmônico, sem altibaixos emocionais. Une as pessoas, porque reúne as almas, identifica-as no prazer geral da fraternidade, alimenta o corpo e dulcifica o eu profundo.

O prazer legítimo decorre do amor pleno, gerador da felicidade, enquanto o comum é devorador de energias e de formação angustiante.

O amor atravessa diferentes fases: o infantil, que tem caráter possessivo, o juvenil que se expressa pela insegurança, o maduro, pacificador, que se entrega sem reservas e faz-se plenificador.

Há um período em que se expressa como compensação, na fase intermediária entre a insegurança e a plenificação, quando dá e recebe, procurando libertar-se da consciência de culpa.

O estado de prazer difere daquele de plenitude, em razão de o primeiro ser fugaz, enquanto o segundo é permanente, mesmo sob injunção de relativas aflições e problemas-desafios que podem e devem ser vencidos.

Somente o amor real consegue distingui-los e os pode unir quando se apresentem esporádicos.


A ambição, a posse, a inquietação geradora e insegurança – ciúme, incerteza, ansiedade afetiva, cobrança de carinhos e atenções –, a necessidade de ser amado caracterizam o estágio do amor infantil, obsessivo, dominador, que pensa exclusivamente em si antes que no ser amado.

A confiança, suave, doce e tranquila, a alegria natural e sem alarde, a exteriorização do bem que se pode e se deve executar, a compaixão dinâmica, a não-posse, não-dependência, não-exigência, são benesses do amor pleno, pacificador, imorredouro.

Mesmo que se modifiquem os quadros existenciais, que se alterem as manifestações da afetividade do ser amado, o amor permanece libertador, confiante, indestrutível.

Nunca se impõe, porque é espontâneo, como a própria vida, e irradia-se mimetizando, contagiando de júbilo e de paz.

Expande-se como um perfume que impregna, agradável, suavemente, porque não é agressivo nem embriagador ou apaixonado...

O amor não se apega, não sofre a falta, mas frui sempre, porque vive no íntimo do ser e não das gratificações que o amado oferece.

O amor deve ser sempre o ponto de partida de todas as aspirações e a etapa final de todos os anelos humanos.

O clímax do amor se encontra naquele sentimento que Jesus ofereceu à Humanidade e prossegue doando, na sua condição de Amante não amado.

Do livro: Amor, Imbatível Amor
Joanna de Angelis/Divaldo Pereira Franco
Ilustração: internet

14 comentários:

PROJETO NOVO IMPULSO disse...

Lindo testo meu amado, deixo uma passagem;
Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás
a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis.Tg 2:8
O mais sagrado dos sentimentos.
A paz

Felipe disse...

Grato pela visita meu amigo.
Abraços!

Celene Garco disse...

Lindo e apaixonante texto, a palavra amor me causa uma emoção muito forte, se fosse para eu viver sem ele eu nada seria. abraço e namastê

Jorge disse...

Mano

Mais um selo procê!! "Este blog é um sonho" está à sua espera no meu blog.

Mano é mano...só carinho!!!

Manovo

Felipe disse...

Mano
Você está me acostumando mal acostumado.
Abraços!

Felipe disse...

Celene.
Ninguém vive sem amor pra dar ou receber.
Abraços

Sandra F. disse...

Texto absolutamente lindo!

Felipe disse...

Sandra.
Grato pela visita.
Beijão

Geraldo disse...

Olá Felipe,

Belo texto da Joana, o amor é insubstituivel em nossas vidas.

É sempre bom falar de amor, seja ele em que fase for.

Abraço

Felipe disse...

Geraldo
Joana sempre a nos brindar com textos maravilhosos.
Abraços!

intervalo disse...

Amor que gera harmonia em nossos corações em suas diferentes fases que nos falta como ar que respiramos se o deixamos de alimentar o corpo físico também padece.Belo texto...

Desejo-lhe um final de semana radiante.beijoss com carinho.Lia...

Felipe disse...

Lia.
Um Final de Semana repleto de paz e amor a você.
Abraços

*Teresa Cristina* disse...

Olá....este livro é lindo estou estudando ele, uma vez por mês estudamos as obras psicológicas de Joanna, tenho aprendido muito através desta obra magnifica!
Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer; ...somente entende quem se dispõe a aprender a vivenciar o amor, este Sol que Ilumina os corações sequiosos de Paz!
Uma semana linda pra ti^^
Obg por compartilhar tão belo texto!
Bjss no ♥
*tem selo pra ti lá no blo*

Felipe disse...

Cris

Grato peloselo.
Beijão

Felipe

Related Posts with Thumbnails