domingo, 2 de agosto de 2009

Apesar dos limites (História Real)

No tempo em que ainda era um simples estudante de medicina numa universidade do meio oeste dos Estados Unidos da América, Dr. Marlin nutria a estúpida preocupação com um mundo cheio de pessoas aleijadas e de doentes sem esperança de cura.
Por essa razão, era partidário da eutanásia e da eliminação dos aleijados sem cura. Moço e irreverente, costumava travar calorosas discussões com os colegas que pensavam de maneira diferente da sua.
Aos seus inflamados argumentos, os companheiros respondiam:
- Mas então você não vê que nós aqui estamos estudando medicina precisamente para cuidar dos aleijados, dos coxos e dos cegos?
- Os médicos existem neste mundo para curar os doentes. Era sempre a resposta que ele dava. E se nada pudermos fazer em seu benefício, o melhor para eles é a morte.
No entanto, uma noite, quando prestava serviço como interno de hospital, no último ano do curso, Marlin foi chamado para assistir a uma parturiente, imigrante alemã, que morava num bairro miserável da cidade. Era o décimo filho que a pobre mulher dava à luz, e o bebê entrou neste mundo com uma das perninhas bastante mais curta do que a outra.
Antes de fazer com que a criança pudesse respirar por si mesma, acudiu-lhe um pensamento:
- Que despropósito! Este pequeno vai passar a vida inteira arrastando esta pobre perna. Na escola será vítima de chacota dos outros meninos, que o chamarão "manco". Para que hei de obrigá-lo a viver? O mundo nunca dará pela falta dele.
Mas, apesar dos pensamentos, o garoto levou a melhor. O jovem médico não conseguiu deixar de insuflar o ar da vida naqueles pequenos pulmões, pondo-os a funcionar.
Cumprido o dever, o interno agarrou a maleta do ofício e foi embora censurando o próprio procedimento.
- Não posso compreender por que fiz isto! Como se não houvesse filhos demais naquele antro de miséria. Não entendo porque deixei viver mais aquele, e ainda por cima estropiado.
Os anos correram...
O Dr. Marlim consagrou-se como médico e conquistou vasta clientela. As idéias que sustentava na juventude mudaram. Agora ele se dedicava a salvar e conservar vidas.
Um dia, seu filho único e a esposa morreram num acidente de automóvel, e Marlim tomou a filha do casal para criar. Amava com todas as forças a netinha "Bárbara".
No verão em que completou dez anos, a menina acordou, certa manhã, queixando-se de torcicolo e de dores nas pernas e nos braços...
No começo pensou-se que fosse poliomielite, a temível paralisia infantil, mas depois se verificou que era uma raríssima infecção causada por vírus pouco conhecido que também causava paralisia.
O Dr. Marlim reuniu vários neurologistas e todos foram unânimes em afirmar que não se conhecia remédio nem tratamento algum para aquela enfermidade.
- Em todo caso, existe um médico no Oeste, homem moço, que escreveu recentemente sobre o êxito que tem obtido em casos como este, observou um dos neurologistas.
O Dr. Marlim não teve dúvidas. Tomou a neta e se dirigiu para o hospital indicado.

Quando ficou frente a frente com o médico, único capaz de salvar a neta tão querida, o Dr. Marlim observou que o jovem colega coxeava acentuadamente...
- Esta perna curta faz de mim um igual dos meus doentes, observou o Dr. T. J. Miller, ao notar o olhar do Dr. Marlim. Consinto que as crianças me chamem de "manco", e elas adoram isso. De fato prefiro esse nome ao meu nome real, que é Tadeu, que sempre me pareceu um tanto pomposo e ridículo! Como a tantos outros meninos, deram-me o nome do moço interno que uma noite me ajudou a vir ao mundo...
O Dr. Tadeu Marlim empalideceu e engoliu a seco. Por alguns minutos lembrou-se dos pensamentos que lhe acorreram naquela noite distante:
- O mundo nunca dará pela falta dele.
Estendeu comovidamente a mão ao jovem colega, o coxinho devotado, graças a quem a neta ia poder andar outra vez, e pensou consigo mesmo:
- Em todo caso, sempre é melhor ser coxo do que cego, como eu fui, por muito tempo.
Adaptado de Seleções do Reader's Digest.

foto:DW-World.DE -Set 04

6 comentários:

Luísa disse...

Sendo cego ou coxo, o mais importante é a tomada de consciência. Quando somos muito jovens, temos tantas certezas absolutas que defendemos com unhas e dentes, e que mais tarde deixam simplesmente de fazer sentido, porque crescemos interiormente.
Bonito texto.
Abraços
Luísa

Unknown man disse...

Mano

Muito legal este texto.
tem mais um selo prá você: é o "Mouse de ouro". Divirta-se!!!

Bração,

Manovo

Mikasmi disse...

Que grande lição de vida Felipe.

Como diz a Luisa as verdades absolutas alteram-se com a idade.

Abraços
Emilia

Geraldo disse...

Bela História Felipe!!!

Abraço

luan disse...

nossa chorei,que texto lindo.

Felipe disse...

Luan
Sem dúvida, é um texto que emociona.
Abraços!

Related Posts with Thumbnails