quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Um amigo pode salvar vidas



Numa aldeia vietnamita, um orfanato dirigido por um grupo de missionários foi atingido por um bombardeio. Os missionários e duas crianças tiveram morte imediata e as restantes ficaram gravemente feridas, entre elas uma menina de oito anos.

Seu estado era muito grave e foi necessário pedir ajuda pelo rádio.

Depois de algum tempo um médico e uma enfermeira da marinha americana chegaram ao local. Teriam de agir rápido, senão a menina morreria em razão dos traumatismos e da perda de sangue. Era preciso fazer urgentemente uma transfusão. Mas como?

Após alguns testes rápidos no pessoal da equipe de socorro, concluíram que ninguém ali possuía o tipo de sangue necessário.

Reuniram, então, o povo da aldeia e gesticulando muito, tentaram explicar o que estava acontecendo, por vezes arranhando o idioma que era muito difícil. Queriam dizer que precisavam de um voluntário para doar sangue.

Depois de um silêncio sepulcral, viu-se um braço magrinho levantar-se timidamente. Era de um menino chamado Cheng. Ele foi preparado às pressas do lado da menina agonizante e espetaram-lhe a agulha na veia.

Ele se mantinha quietinho e com o olhar fixo no teto.

Passados alguns momentos, Cheng deixou escapar um soluço e tapou o rosto com a mão livre. O médico perguntou se estava doendo e ele disse que não. Mas não demorou muito para soluçar novamente, contendo as lágrimas. O médico ficou preocupado e voltou a lhe perguntar se sentia alguma dor.

Novamente Cheng negou.

Os soluços ocasionais iam dando lugar a um choro ininterrupto. Era evidente que algo estava errado. Foi então, que chegou uma vietnamita de outra aldeia e o médico pediu-lhe que procurasse saber o que estava acontecendo com Cheng.

Com voz meiga e doce, a moça começou a conversar com ele, explicou-lhe algumas coisas e o rosto do menino foi se mostrando aliviado. Minutos depois ele estava novamente tranquilo.

A moça vietnamita então contou aos americanos:

- Ele pensou que fosse morrer. Não entendeu direito o que vocês disseram e estava chorando porque achava que seria preciso doar todo o seu sangue para a menina não morrer.

O médico americano aproximou-se de Cheng e, com a ajuda da moça, perguntou ao menino:

- Mas se você pensava assim, por que se ofereceu para doar sangue?

E o menino simplesmente respondeu:

- ELA É MINHA AMIGA!!!

Um amigo verdadeiro pode salvar vidas.

Do livro: Como atirar vacas no precipício
Foto: Internet


3 comentários:

Junior Silva disse...

A amizade quando se é verdadeira, até uma criança tem consciência do seu real valor e o quão saudável ela pode ser.
Bonito texto.

Abraços.

Geraldo disse...

Conhecia a história, mas acho de uma sensibilidade incrível o menino achar que daria a vida pela amiga, quem mais faria isto?

Abraço

Dinho & Pearl disse...

Que história mais linda, e que exemplo de coragem!
A resposta é simples e poucos agiriam da mesma forma. Ela é amiga dele, não era preciso dizer muito.

Related Posts with Thumbnails